Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Decidi que vou entrar numa campanha. É uma campanha que trará muitos benefícios para todos, não apenas dentro do Movimento Escoteiro, pois, trata aborda um grande problema social.

Sei que temos muitos outros problemas sociais, especialmente no Brasil, e que poderiam dizer que o Escotismo teria outros campos de atuação. Mas, resolvi seguir o que nos ensinou Baden-Powell.

Sei que algumas pessoas me tomarão por inimigo, a partir de hoje, por aderir ativamente a esta campanha. Terão como uma ofensa pessoal ou como algo discriminatório.

Mesmo adotando este posicionamento, me sinto na obrigação de compreendê-los, pois, aqueles que se voltarem contra a campanha e contra o que estou dizendo, não o farão conscientes. Farão porque dentro deles algo muito mais forte – a dependência química, a adicção – pressionará para que se oponham contra quem se opõe ao fumo.

Semana passada tomou conta das redes sociais a campanha contra o fumo, pois, o Dia Mundial de Combate ao Cigarro é comemorado em 31 de maio. Muito falou-se da quantidade de pessoas que morrem, diariamente, em decorrência de doenças relacionadas ao fumo, do quanto gastamos (em saúde pública) para minimizar os danos relacionados ao cigarro.

É como se perdêssemos, duas vezes, todos os associados do Escoteiros do Brasil (mais de 130 mil pessoas por ano). Assustador, sem dúvida! Desinformação? Nunca.

Fui um dos que tuitou e postou várias coisas no Facebook. Mas, como faço muitas vezes, não pude deixar de associar estes dados recentes com o que disse nosso Fundador. Por isso, voltei às origens e fui procurar o que B-P dizia no Escotismo para Rapazes.

Antes das críticas (de fumantes e de não fumantes por trazer ensinamentos do Escotismo para Rapazes) necessário esclarecer que tenho ciência de que o contexto histórico é totalmente diverso do que temos hoje. Entretanto, os malefícios do cigarro atingem muito mais jovens, hoje, do que em 1900.

E vamos deixar claro que estou contabilizando apenas o cigarro, sem falar da diversidade e disponibilidade de drogas (lícitas ou não) a que nossos jovens têm acesso, principalmente aqueles que fumam.

Quem preocupa-se com a educação de crianças e jovens – como fazemos todos os Escotistas e Dirigentes – não pode fechar os olhos e dizer que “isso é normal”. Ou, mais especificamente, que “fumar é normal”, “que é socialmente aceito” e que “eu fumo escondido dos jovens, então não tem problema”.

Voltando ao que disse B-P, na Conversa de Fogo de Conselho n. 18 – Hábitos Saudáveis:
O Fumo
Todo o escoteiro conhece a Lei Escoteira. Mas há um artigo extra na lei que não está escrito, mas que todo escoteiros compreende bem. É o seguinte: “O Escoteiro não é bobo”, e é por isso que os Escoteiros não fumam enquanto ainda estão crescendo. Qualquer rapaz pode fumar – não há nada de extraordinário ou difícil em fazê-lo. Mas um Escoteiro não o fará porque não é bobo. Sabe que quando um rapaz fuma antes de ter completado sua frase de crescimento pode ficar com o coração fraco, e o coração é o orgão mais importante no corpo de um rapaz. […] 
Qualquer escoteiro sabe que o fumo prejudica o olfato, e que o olfato é de grande importância para quem faz a exploração no serviço militar como esclarecedor ou sentinela. […] Nenhum rapaz principia a fumar por que goste, mas geralmente porque, ou receia ser ridicularizado pelos outros rapazes por parecer  ter medo de fumar, ou porque pensa que fumando irá parecer mais homem, mais adulto – quando na verdade só consegue parecer o tempo todo um pobre imbecil.

Portanto tome a resolução, por sua livre e espontânea vontade, de que não tenciona fumar até que seja adulto, e cumpra o que resolveu. Essa atitude firme, essa deliberação consciente, mostra que você é muito mais homem do que se andar por aí com um cigarro meio fumado entre os lábios. Os outros rapazes o respeitarão muito mais, e provavelmente muitos deles imitarão secretamente sua atitude”.

Por mera casualidade, cerca de um mês atrás, divagando sobre várias coisas numa reunião na sede dos Escoteiros do RS, sugeri aos Escotistas e Dirigentes presentes tornar o Campo Escola Escoteiro Dr. João Ribeiro dos Santos, no Parque Saint Hilaire, em Porto Alegre, uma ZONA LIVRE DE FUMO.

Não sei vocês deram-se conta do impacto positivo que esta ação traria para nossos Lobinhos, Escoteiros, Seniores, Pioneiros e Escotistas e, principalmente, para os fumantes. Nosso Campo Escola Escoteiro será um incentivo a mais para que estas pessoas doentes possam buscar auxílio para deixar de fumar.

Mais do que isso, estaremos criando um marco para todo o Escotismo Brasileiro, que deve ser posto à exposição em todos os meios de comunicação, nas redes sociais e, especialmente, às crianças e jovens: o Campo Escola Escoteiro Dr. João Ribeiro dos Santos é uma ZONA LIVRE DE FUMO.

Parece-me que estamos dando um pequeno passo, que inicia com a conscientização dos adultos que frequentam o CEE no Parque Sainte Hilaire, para que o cigarro fique do lado de fora dos portões do Campo Escola Escoteiro. E, ao final da nossa jornada, veremos que este foi o passo mais importante para o Movimento Escoteiro contra o fumo e seus malefícios.

Quem adere a esta campanha?

 

Anúncios