Tags

, , , , , , , , , , , , ,

Faz dias que vinha pensando neste tópico, mas, não tinha encontrado o caminho certo para escrevê-lo. Eis que me deparo como seguinte título no Jornal Zero Hora, do último domingo: Amizade não se joga fora.

O artigo fala de estudo recém publicado na Inglaterra, pela revista Sociological Review, que analisou de centenas de relatos de vida sobre a amizade, seus benefícios e prejuízos, prazer que proporciona e problemas que pode gerar.

Não é necessário falar muito sobre a superficialidade da amizade nos dias de hoje. As pessoas têm muitos colegas, amigos virtuais ou companheiros para as diversas atividades que realizam (academia, cursos de lingua, etc), mas, cada vez menos amigos de verdade.

Sei que a experiência de muitos Escotistas é semelhante à minha, uma vez que, ao olhar para trás, devemos nos lembrar de diversos colegas da vizinhança, da escola, da faculdade, com os quais passamos bons e maus momentos, com quem nos livramos ou nos metemos em encrencas, daquelas que todo adolescente acaba entrando. Estes ficaram no passado.

Mas, ao procurar pelos amigos de verdade, onde os encontro? No Escotismo.

E não estamos aqui falando de um slogan bonito, campanha de marketing ou do artigo da Lei Escoteira que diz O Escoteiro é amigo de todos e irmão dos demais escoteiros. Estamos falando de uma realidade para um grande número de crianças e jovens no mundo inteiro.

O Movimento Escoteiro tem a facilidade de proporcionar boas amizades, que duram por toda a vida, pois, forjadas no respeito, na honra, na dignidade e lealdade que são a tônica do Escotismo.

Claro que amigo de verdade é aquele com quem brigamos, discutimos, juramos nunca mais ser amigos, perdoamos, engolimos alguns “sapos” e, no final, acaba sendo a pessoa que nos entende e, de certa forma, nos completa.

Inúmeros seriam os exemplos pessoais que poderia descrever, os quais, seriam facilmente identificados com cada um dos leitores. Mas, não vou relatar isso.

A pretensão deste post é fazer com que os educadores Escoteiros reflitam sobre a importância da amizade para o (sadio) desenvolvimento da vida em grupo e em sociedade.

Nosso fundador, B-P, criou o Sistema de Patrulhas com um propósito bem claro, ensinar a juventude a viver e agir de forma certa em equipe, respeitando a opinião dos demais e compartilhando experiências capazes de transformar simples companheiros em grandes amigos. Um sistema baseado na confiança, no qual os mais velhos são responsáveis pela formação dos mais novos e estes procurarão seguir os passos daqueles.

Já dizia Frank E L Coombs (Charlas Scouts, Editorial Scout Interamericano, 1982, p. 49) que “poucos de nós nos damos conta do quanto nosso êxito e felicidade na vida dependem do ânimo que nos dão os amigos”.

As dificuldades são superadas mais facilmente, se tivermos o apoio de um amigo. O fracasso pode ficar para trás se tivermos uma mão amiga para nos puxar para frente. Da mesma forma, o aprendizado Escoteiro será mais facilmente assimilado se os jovens estiverem compartilhando o conhecimento com seus amigos.

Uma Patrulha não necessita ser formada apenas por amigos, mas será muito bom se o Escotista conseguir que todos os Escoteiros da mesma Patrulha se tornarem bons amigos com o passar do tempo.

Portanto, nosso papel como Escotistas é, também, fomentar a amizade saudável e promissora, que potencializa as qualidades de cada um e que forma, para a vida, um elo de confiança e lealdade, daquelas que podemos contar em todos os momentos.

Mas o melhor de tudo é, com o passar dos anos ver que aqueles antigos companheiros de Patrulha, hoje são (e sempre serão) bons e verdadeiros amigos. Esta constatação aumenta nossa convicção de que trilhamos o caminho certo.



Anúncios