Tags

, , , , , , , , , , , , , , ,

Semana passada recebi um belo presente. Não da forma usual, como estão imaginando. Mas, algo que realmente deixou-me muito feliz.

Havia enviado para escaneamento numa empresa especializada (Microfischer) as fichas 120, fichas de acompanhamento, fichas de inscrição e outras fichas e documentos pertencentes ao Grupo Escoteiro Arno Friedrich, do tempo em que sequer existia computador (ou quase isso).

O material que tínhamos disponível para este trabalho era apenas parte dos mais de 20 anos de história do Grupo, eis que, outro tanto perdeu-se, alguns na mão de Escotistas e Dirigentes, outros com o alagamento pela chuva, em nossa sede, cerca de 8 anos atrás.

Recebi os arquivos, que totalizam mais de 430 documentos e 740 fotos de meu arquivo pessoal, retratando, como disse antes, apenas uma parte da história. Mas, uma parte importante do Grupo Escoteiro Arno Friedrich que nunca mais será perdida.

Jamboree Panamericano – Muxbal, Guatemala 1996

Já comentei no post História do Grupo Escoteiro e o Grupo Escoteiro na história sobre a importância do registro detalhando e completo, utilizando ferramentas modernas como o nosso SIGUE. Naquele post relatava a dificuldade que estávamos encontrando para relembrar meros 20 anos de história.

De forma alguma gostaria de ser repetitivo, menos ainda, insisitente. Porém, é fundamental que todo Escotista e Dirigente de Grupo tenha noção da imensa responsabilidade que ele tem sobre os dados, informações, datas, nomes, fotos, ou seja, tudo relativo à vida do Grupo Escoteiro.

Parafraseando Albert Camus, um Grupo Escoteiro sem memória é um Grupo Escoteiro sem passado. E sobre esta base inexistente (o passado não documentado), não temos como construir o futuro de muitas gerações de Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros.

Por isso, temos que partir ao resgate da história do Grupo, pois, ela constitui-se na história do Movimento Escoteiro. E, mais do que isso, ela relata vidas, aventuras e desventuras de milhares de crianças e jovens no convívio lúdico, salutar, responsável e cooperativo, como retratos destas experiências, enquanto o Escotismo os educava para a vida.

Tenham a certeza, como eu tenho, de que a surpresa daquelas crianças e jovens (hoje pais e mães de família) será tão grata quanto a minha, ao se depararem com suas fotos 3×4 com rostos infantis, seguida daquelas datas num passado distante que servirão como link da memória para as maravilhosas lembranças deixadas pelo Escotismo.

E aos adultos voluntários, fica a certeza do dever cumprido. Não apenas na aplicação correta do Método Escoteiro, mas na qualidade dos “frutos” que ajudamos a produzir, confirmando que eles serão responsáveis pela criação de um mundo melhor.

Anúncios